Cultivar com energia solar: rendimento máximo e proteção contra corrosão

Segundo estudos recentes da Universidade de Ultrecht, o campo é o melhor lugar para aproveitar a energia solar. Afinal quase não há sombra em quilómetros ao redor. A desvantagem são as grandes diferenças de vento, temperatura e seca existentes no interior. Além disto, a agricultura tem de lidar com altas concentrações de amónia que, por sua vez, pode causar corrosão nas estruturas dos telhados. O que deve levar em consideração como instalador de sistemas fotovoltaicos?

De estrume a nitrogénio e amónia

Devido a todos os relatórios sobre nitrogénio no ano passado, todos sabemos que as suas emissões afetam a vida do solo. Mas essas emissões também causam corrosão em edifícios e estruturas metálicas. Uma das mais importantes nas áreas rurais é a amónia. A amónia é um tema bem conhecido na pecuária intensiva, pois o gado produz muito estrume. Mas esse fertilizante também é importante para outros agricultores, uma vez que garante melhor crescimento das plantas e maior produtividade das lavouras. E desse estrume, uma parte do nitrogénio evapora no ar como amónia, que precipita novamente num raio de cinco quilómetros.

Campo e corrosão

O cheiro de amónia no campo é apenas uma de várias causas que está na origem e desenvolvimento de corrosão, um termo coletivo para ferrugem e outras reações químicas de metais. As planícies abertas que são uma vantagem para o rendimento solar geralmente também apresentam maiores diferenças de temperatura e mais influências do vento do que nas áreas urbanas. No litoral, a brisa salgada do mar tem rédea solta. Mas pense também em chuvas, neve e secas extremas no resto do país.

A corrosão é a principal causa de danos graves em peças de metal ou mesmo em estruturas completas, fator que torna difícil ter garantias de qualidade. Os danos causados pela corrosão podem chegar de 3% a 4% do PIB, todos os anos, motivo suficiente para levar isso em consideração ao escolher o sistema de montagem para módulos fotovoltaicos. E existem muitas opções para isso!

Estruturas de suporte resistentes à corrosão

As estruturas de suporte resistentes à corrosão são, portanto, extremamente importantes em áreas rurais para obter a melhor “colheita” possível de energia solar. Felizmente, o mundo da inovação de materiais tem sido capaz de responder a isso, por exemplo, com o desenvolvimento de novos revestimentos e coberturas. Uma estrela entre todas essas soluções é o MAGNELIS®, um revestimento de aço enriquecido com magnésio que oferece uma longa proteção. Por exemplo, proporciona 20 anos de proteção contra corrosão em aço. Uma propriedade única do MAGNELIS® é que é possível reparar as arestas cortadas, os pontos mais vulneráveis à corrosão.

Para o instalador de sistemas fotovoltaicos há ainda mais risco de corrosão à espreita. Podem formar-se rachaduras finas que são sensíveis à corrosão, especialmente em componentes que estão sob constante tensão mecânica. Portanto, é importante instalar sempre o sistema de acordo com o manual e o plano de instalação, para que as tensões sejam limitadas. Outra vantagem do MAGENELIS® é que este revestimento se estende onde o metal for dobrado, protegendo o aço subjacente e oferecendo proteção extra no caso de qualquer tensão de tração ou compressão.

Esdec e MAGNELIS®

Na Esdec testamos exaustivamente todos os nossos sistemas de montagem para todos os tipos de corrosão. Em termos concretos, significa que o suporte de montagem para telhados ondulados na linha ClickFit é revestido com MAGNELIS® ZM310. Como resultado, o sistema pode ser colocado em ambientes de alta corrosão classe C4, de acordo com a norma internacional ISO 12944.

Em toda a nossa gama ClickFit Evo trabalhamos com parafusos revestidos e, portanto, resistentes à amónia. As calhas de montagem são de alumínio de classe 6000 e, portanto, muito resistentes à corrosão. O material de vedação utilizado nos diferentes fixadores é feito de borracha EPDM, que também possui boa resistência ao envelhecimento e torna o sistema extra resistente à corrosão. Mesmo para os parafusos, investigamos qual é o material que funciona melhor com MAGNELIS®, porque os parafusos normais de aço inoxidável levam à chamada corrosão galvânica com este revestimento.

Resumindo, os nossos sistemas fornecem uma sensação de segurança e poupam muitas substituições durante a manutenção. Investimos em Inovação e Desenvolvimento para fornecer os sistemas de montagem mais fiáveis e seguros. Estão em conformidade com as normas e padrões atuais, mas geralmente vão um passo à frente. Para isso, trabalhamos em conjunto com o conhecimento internacional e institutos de teste, como KIWA BDA, VDE e UL.

Gancho de telhado com aço Magnelis®

Utilizamos aço MAGNELIS® na produção dos nossos ganchos de telhado, o que significa que, como instalador, utiliza um componente de qualidade excecional. No fabrico desse tipo de aço, é adicionada uma pequena quantidade de magnésio, resultando numa série de propriedades exclusivas:

  • O aço Magnelis tem um revestimento estável e duradouro em toda a superfície.
  • O aço Magnelis fornece uma proteção muito mais efetiva contra corrosão do que revestimentos de magnésio inferior e aço galvanizado por imersão a quente.
  • Boa proteção do material graças às propriedades autorregenrativas do Magnelis nas arestas de cortes de superfície.
  • O aço Magnelis necessita pouca manutenção.
  • O Magnelis tem um impacto ambiental significativamente menor em comparação com o alumínio, aço inoxidável e aço revestido de zinco padrão, é compatível com ROHS, além de ser 100% reciclável.