COMO A ESDEC DESENVOLVEU FLATFIX WAVE?

Este artigo é uma tradução da versão escrita em holandês por Joyce Beuken e publicada a 19 de abril de 2021 em www.solar365.nl

Como é que a Esdec desenvolveu o FlatFix wave?

Após um longo processo de intensa pesquisa, a Esdec apresentou o novo FlatFix Wave, um sistema de montagem fácil de instalar sem utilização de ferramentas para a instalação dos módulos fotovoltaicos. No desenvolvimento deste sistema estiveram estritamente envolvidos vários stakeholders para poder ficar demonstrado de forma independente que o sistema funciona. Como surgiu este conceito?

O diretor de pesquisas Jeroen Weller explica como o FlatFix Wave foi resultado de uma colaboração intensiva. “Este sistema leva incluído todo o conhecimento que adquirimos ao longo dos anos.” FlatFix Wave foi lançado em outubro de 2020. O que faz este sistema de montagem ser diferente dos demais?

“A Esdec tem agora dois sistemas para telhados planos, juntamente com o Wave, o FlatFix Fusion que já está no mercado há alguns anos, sendo este último desenvolvido para facultar a construção flexível em telhados com obstáculos ou com uma forma não comum.”

Pássaros a cantar

Jeroen Weller: “Analisámos todos os pontos fracos dos sistemas para telhados planos existentes e conhecidos até então, e incorporámos as soluções neste novo sistema.” Uma das grandes vantagens deste sistema é que é “sem ferramentas”, afirmou Weller. “Um instalador não vai precisar levar quaisquer ferramentas para o telhado. Não é necessário aparafusar para unir os perfis dos módulos porque já estão pré-montados.” Esse facto ajuda a poupar muito tempo e problemas, mas também assegura de que a instalação será feita sem falhas. “Além disso, a instalação é muito mais silenciosa, uma vez que não vai precisar usar um berbequim aparafusador sem fios. E isso agradece-se. Notámos isso quando estávamos a testar o sistema na prática e podíamos ouvir os pássaros a cantar.”

Pôr cobro à tradição

O sistema pode ser instalado tão rápido que a própria instalação lembra a uma onda sobre o telhado, daí o seu nome “Wave”. Com o FlatFix Wave, os módulos não são fixos pelo lado curto do módulo mas sim a cerca de um quarto e três quartos de distância pelo lado longo, o comprimento. Novamente, de acordo com Weller, uma escolha bem pensada. “A vantagem de fixar o módulo pelo comprimento nas posições corretas, é que os sistemas podem resistir melhor a vendavais e cargas de neve. Isto também é muito mais favorável para os módulos cada vez mais maiores. Evita principalmente a formação de possíveis microfissuras (fissuras finíssimas nas células solares). Este novo método de fixação, portanto, é recomendado por muitos fabricantes de módulos.” Em comparação com os sistemas tradicionais, foram realizados mais ajustes que resultaram em diferenças positivas baseadas em muitos cálculos e análises. “Por exemplo, o defletor lateral que fecha o lado aberto do campo foi inclinada levemente de forma deliberada. Deste modo é muito mais aerodinâmico e, portanto, necessita menos lastro.”

Dois botões

O foco no desenvolvimento do FlatFix Wave era duplo, comenta Weller. “Por um lado, procura-se maximizar o lastro no novo sistema para conseguir maior fiabilidade. Por outro, pretende-se minimizá-lo por conveniência, custos e tempo. Existe uma situação de conflito de interesses em qual dos dois pontos tem maior influência no desenvolvimento. Fomos capazes de ativar dois botões ao mesmo tempo neste processo. Otimizamos a aerodinâmica, mas também ampliámos o acoplamento mecânico ao máximo possível. Aplicámos ligações cruzadas muito fortes em duas direções nos campos para fortalecer o acoplamento. Assim, os módulos são ligados de forma muito resistente.”

“Quando desenvolvemos o sistema Wave, adicionámos, além dos nossos conhecimentos e experiência, todos os conhecimentos externos que podiam encontrar-se no projeto. Foram consultados e envolvidos várias entidades, como empresas EPC, instaladores, organismos de certificação, instituições de investigações técnicas e a Peutz, o nosso parceiro em testes em túnel de vento. O alvo era desenvolver um sistema sólido e resistente ao tempo.”

Produto concebido de ponta a ponta

Os requisitos e condições prévias do Wave foram concebidos com todas essas entidades num longo número de sessões, e incorporados no produto final. Durante várias jornadas, foram testados novamente todos os conceitos e versões provisórias e ajustados em conformidade.

“Adicionalmente, questionamos a Peutz, o nosso parceiro em testes em túnel de vento, quais seriam os requisitos a respeitar, para poder desenhar o sistema perfeito para telhados planos desde um ponto de vista aerodinâmico. Os novos defletores de vento foram uma das características que deu como resultado o design final.”

Weller conta sobre os diversos conceitos que foram discutidos e conduziram ao sistema final. Obviamente, nem todas as características obtidas dos conceitos iniciais foram reproduzidas no produto final. “Uma versão anterior incluía um spoiler para submeter a mais pressão, uma parte dianteira e uma lateral completamente fechadas. O spoiler fazia as suas funções, mas revelou não encaixar bem no design de forma prática.”.

Meio ano depois do lançamento deste sistema, a equipa continua a trabalhar avidamente em várias configurações do sistema, como por exemplo, uma configuração orientada ao sul, uma vez que o sistema atual está disponível apenas numa configuração dual (Este/Oeste).

Este é o primeiro de três artigos sobre sistemas de montagem, testes de túnel de vento e verificação dos resultados dos testes. A segunda parte será publicada no dia 30 de abril.